A história do molho de soja

Hoje, consumidores do mundo inteiro aderiram ao uso do molho de soja.
Esta página apresenta a história deste notável condimento, e também, a história do molho de soja Kikkoman.

No decorrer da história da humanidade, as pessoas tanto do oriente como do ocidente têm inventado muitas técnicas para preservar os alimentos. Nesse processo, as pessoas aprenderam que ao preservar a comida com sal elas podem não somente mantê-la em estado comestível por mais tempo, mas também, melhorar o sabor devido à ação dos microorganismos na quebra das proteínas, que resultam em componentes que dão mais sabor ao alimento.
Desde os tempos antigos, os chineses tem utilizado a palavra Jiang ou Sho, como é pronunciado em japonês, como referência a tal condimento.
Shoyu, ou molho de soja, é desenvolvido a partir desse condimento Sho.

Sho foi produzido a partir de ingredientes como carnes, frutos do mar, vegetais e grãos, dos quais o último provou ser o mais fácil de se produzir, manter com segurança e manipular em grande escala. Como resultado, o Kokusho feito de grãos, particularmente de soja e trigo, se popularizou e as técnicas de produção do Kokusho foram transmitidas da China para os países vizinhos. O condimento Kokusho é considerado o antecessor do atual molho de soja.

Com a introdução do Sho no Japão, foram desenvolvidas técnicas únicas de refinamento. Em meados do século XVII, o atual processo de produção do molho de soja já havia sido desenvolvido e se espalhado por todo país.

As famílias Mogi e Takanashi fundaram uma indústria proeminente de molho de soja na cidade de Noda, província de Chiba, onde o molho de soja Kikkoman cresceu notavelmente em um período de 100 anos. A maior contribuição para o seu crescimento foi a sua ótima localização, na planície de Kanto, maior produtor de soja e trigo do Japão. Seu fácil acesso a mão de obra abundante na área ao redor de Edo (atual Tóquio) também contribuiu no seu crescimento. Outros fatores como desenvolvimento de transportes por vias fluviais nos rios Tonegawa e Edogawa que facilitavam o transporte de ingredientes e produtos e a existência de uma grande demanda por molho de soja em Edo, também contribuíram para o crescimento desse honorável império de molho de soja Kikkoman.

Registros mostram que 19 produtores de molho de soja em Noda formaram uma união e embarcaram a maior parte de seus produtos para Edo. Em meados do século XIX a região de Kanto se tornou a maior produtora de molho de soja do Japão.

 
 

Em 1917 houve a fusão das empresas das famílias Mogi, Takanashi e Horikiri e fundaram a Noda Shoyu Co. Ltd. Em 1964 a empresa mudou seu nome para Kikkoman Shoyu Co.Ltd. E finalmente em 1980 para o atual Kikkoman Corporation.

Este capítulo descreve a internacionalização do molho de soja Kikkoman.

Em meados do século XVII, comerciantes iniciaram a exportação do molho de soja. A exportação do molho de soja Kikkoman iniciou em torno do século XIX, mas cresceu em escala somente a partir do final da segunda guerra mundial.

 

Ao observar que, muitos soldados, jornalistas e outros estrangeiros residentes no Japão pós guerra, vieram a apreciar a comida japonesa preparada com molho de soja, a Kikkoman chegou à conclusão de que o produto poderia ser introduzido com sucesso no exterior.

 
 

Em 1957, em São Francisco, foi estabelecido o primeiro escritório de vendas, e em 1972, para atender à crescente demanda dos produtos Kikkoman, foi criada a primeira fábrica nos EUA.
Atualmente, a Kikkoman com o sucesso obtido nos EUA, está apostando em sua produção e rede de vendas em todo o mundo. No momento, a Kikkoman opera três fábricas no Japão e sete no exterior, e o molho de soja Kikkoman está disponível em várias lojas do mundo.

A missão da Kikkoman é tornar o molho de soja fermentado naturalmente, um padrão global de condimentos.